30/08/10

una muerte clara / uma morte clara

Una Muerte Clara

Nunca vi una muerte
tan transparente
como la que amanecía
al lado de mi ventana
trenzada con las ramas
de los abedules blancos.
Nunca vi una muerte
tan desamparada,
robándole el cobijo
a los niños gitanos
ante la caída
del cuchillo de la nieve.
Nunca vi una muerte
que sin pronunciar nombre alguno
abrazaba cualquier cuerpo
con suavidad minuciosa.
Nunca más volví a ver
una muerte tan clara
como aquel septiembre
del año invisible
cuando la patria se extinguía
como un animal preciado.



Uma Morte Clara

Nunca vi uma morte
tão transparente
como a que amanhecia
ao lado da minha janela
entrançada com os ramos
das bétulas brancas.
Nunca vi uma morte
tão desamparada,
roubando o abrigo
às crianças ciganas
perante a queda
da faca de neve.
Nunca vi uma morte
que sem pronunciar qualquer nome
abraçava todos os corpos
com suavidade minuciosa.
Nunca más voltei a ver
uma morte tão clara
como nesse setembro
do ano invisível
quando a pátria se extinguia
como um animal apreciado.

(trad:aa)